Sou um parágrafo. Clique aqui para adicionar e editar seu próprio texto. É fácil.

O Estado mostra-se totalmente incapacitado para realizar uma prestação jurisdicional adequada. Ao exercer a função jurisdicional através da sentença, na maioria das vezes, o juiz termina o conflito, sem sequer eliminá-lo na sua essência. O processo judicial é na grande maioria das vezes, demorado e oneroso, ficando a decisão final sujeita a uma série de recursos visando adiar a coisa julgada e ganhar tempo numa futura execução. A permanência de situações indefinidas constitui ainda, fator de angústia e infelicidade pessoal e social.

A utilização dos Métodos  Adequados de Solução  de Conflitos, dentre os  quais a Mediação,  valoriza  a  participação efetiva das partes, na medida em que possibilita que estas  restabeleçam o diálogo, criem opções viáveis e específicas, resolvendo  o conflito da maneira mais produtiva e eficaz, facilitando, consequentemente, o  cumprimento de um possível acordo.​​

Além disso, a utilização da Mediação implica em economia de tempo e de dinheiro quando comparada à um processo judicial, tem um procedimento informal e flexível, possibilitando uma análise precisa da diferença  existente entre o conflito real e o conflito aparente. Trata-se de um procedimento confidencial que valoriza e incentiva  a autonomia das partes.

A Lei da Mediação, Lei n°13.140, de 26 de junho de 2016, teve como objetivo dispor sobre a Mediação como um meio de solução de controvérsias entre particulares e sobre a autocomposição de conflitos no âmbito da administração pública. Referido dispositivo legal estabeleceu a mediação judicial e também a extrajudicial, elencando princípios, requisitos e procedimentos a serem utilizados.

O Novo Código de Processo Civil, Lei n. 13.105, , de 16 de março de 2015,  disciplinou expressamente o instituto da mediação judicial, a sua obrigatoriedade  e o reconhecimento dos conciliadores e mediadores como auxiliares à justiça.

MEDIAÇÃO

Na Mediação, as partes em conflito escolhem ou aceitam  um terceiro imparcial para atuar como mediador. Esse terceiro imparcial,sem poder decisório, auxilia e estimula as partes a identificar ou desenvolver soluções consensuais para a controvérsia.